Lei de Causa e Efeito: a justiça divina

31/05/2015 19:08

por Thiago Mariz*

A 3ª Lei de Newton afirma que para toda força aplicada há outra de mesmo módulo e sentido oposto. Na vida isso também se aplica, afinal de contas nada mais justo do que recebermos em troca aquilo que fazemos mundo afora, seja na vida ou ainda em vidas futuras.

Para a Doutrina Espírita essa é a chamada Lei de Causa e Efeito, uma das perfeitas leis de Deus. Tudo que nos acontece é justo, porque tem uma causa justa, afinal de contas Deus também não é justo? Aquele que faz o mal a alguém, por exemplo, terá que prestar contas em algum momento de sua existência e receber de volta seus efeitos. É claro que há atenuantes: o perdão de quem foi atingido, o arrependimento de quem causou danos, tudo isso pode servir para suavisar as penas. Mas não nos enganemos: tudo que fazemos é contabilizado por Deus. Segundo livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, "o homem suporta sempre a consequência de suas faltas; não há uma só infração à lei de Deus que não tenha punição".

Todavia não devemos pensar com isso que Deus é vingativo. Pelo contrário, Ele sempre nos perdoa infinitamente, mas como pai bondoso que é, sabe que muitas vezes só vamos aprender se sentirmos na pele o que fizermos aos outros e a nós mesmos. O que sofremos hoje é resultado do que plantamos ontem. E o que plantamos hoje obrigatoriamente iremos colher amanhã.

Então como devemos evitar o mal em nossas vidas? Simples: fazendo o bem. Se o que fazemos ou desejamos acaba retornando a nós, se fizermos o bem colheremos coisas boas em nossas vidas. Isso vale para o pensamento também. Cuidemos do que pensamos, fazemos e desejamos ao próximo, pois as leis divinas cobrem todo o universo.

* Thiago Mariz é coordenador do Departamento de Comunicação Social do 15º CRE MG